Construção civil em chamas: Projetos que poderiam evitar tragédias

Conscientize-se da importância de ter os projetos do seu imóvel e que o mesmo esteja regularizado junto com a Prefeitura. Conheça medidas de segurança que podem te ajudar a diminuir os riscos de acidentes.

 

    Infelizmente, frequentemente nos deparamos com informações nos noticiários a respeito de tragédias causadas por incêndios no Brasil. Muitas vezes somos surpreendidos por situações repentinas de descontrole do fogo. Situações essas que podem ser acidentais como, por exemplo, um curto circuito em um elétrico doméstico, ou ocasionais, como é o caso de incêndios criminosos.

        Segundo o ISB (Instituto Sprinkler Brasil), em 2015, o Brasil ocupava o 3° lugar como país com maior número de mortes provenientes de incêndios. Apesar desses dados, o tema ainda é tratado com muita displicência pela população, na maioria dos casos ignoramos a legislação vigente, seja por falta de conhecimento ou de fiscalização. Falando em legislação, no dia 30 de março de 2017, foi criada a lei federal n° 13.425, também conhecida como Lei “Kiss”, fazendo referência a tragédia ocorrida na boate Kiss em 27 de janeiro de 2013 que matou 242 pessoas e feriu 680 outras numa discoteca da cidade de Santa Maria, no estado brasileiro do Rio Grande do Sul. A lei basicamente consiste em estabelecer diretrizes sobre medidas de prevenção e combate a incêndio e a desastres.

         Entretanto, o intuito aqui não é nos aprofundar no projeto de combate ao incêndio em si, para mais informações sobre o que é um projeto de combate a incêndio, acesse nosso artigo “Realmente preciso de um projeto de combate a incêndio?” e nosso e-book de PCI. A intenção é conscientizar do alto número de perdas que tivemos nos últimos anos por simplesmente não estar com o imóvel regularizado perante as leis vigentes e também oferecer dicas para que você tenha um direcionamento de uma edificação segura e legalizada.

 

Fonte | Capa: Portal Tarauacá

 

 

Do fogo ao luto

 

Fonte | Imagem: Veja

 

  De 2013 até os dias atuais, temos um histórico bastante abrangente de tragédias causadas por incêndios, que poderiam ser evitadas ou minimizadas se o local estivesse de acordo com as leis atuais. Começando pela boate Kiss em 27 de janeiro de 2013, que como citado acima, além de matar vários jovens no Rio Grande do Sul, serviu para alertar as autoridades a atentar-se para situações provenientes de descontrole do fogo. Instaura-se a lei anos depois. No caso em questão a causa do incêndio foi decorrente de um show pirotécnico em local fechado, a boate tinha apenas uma saída e não possuía alvará de funcionamento, o que ocasionou na morte de centenas de jovens por asfixia. Depois da lei em vigor tivemos mesmo assim mais dois casos com grande repercussão na mídia.
         Em setembro de 2018 houve um incêndio no museu nacional no Rio de Janeiro, onde o fogo destruiu o acervo com mais de 20 milhões de itens. Felizmente o incêndio ocorreu após o horário de visitação e não deixou nenhum ferido, além dos registros da nossa história. Ainda não se sabe ao certo as causas do incêndio, mas o ministro da cultura, Sérgio Sá Leitão falou sobre possíveis hipóteses, como curto-circuito e queda de balão. Como a estrutura do local era predominantemente de madeira e o acervo tinha material muito inflamável, o fogo se espalhou rapidamente, e para agravar a situação, os hidrantes próximos ao local não tinham pressão suficiente. Lembrando que o museu estava em situação irregular segundo os bombeiros, além de estar malconservado, com fios aparentes, sem portas corta-fogo e sem a instalação de extintores.
        Já em 2019, no dia 08 de fevereiro, jovens de 14 a 17 anos morreram e mais três ficaram feridos no CT Ninho do Urubu da base do Clube de Regatas do Flamengo, após um curto circuito no ar-condicionado de um dos quartos. O local possuía apenas uma porta de saída, a prefeitura e o corpo de bombeiros afirmaram que o Flamengo tinha pendencias no licenciamento do local, o clube não tinha o certificado de aprovação contra incêndios e a prefeitura afirma que não tinha licença, já que o local em que estavam os contêineres que serviram de dormitório para os jovens constava como estacionamento na prefeitura. Felizmente outros treze jovens escaparam ilesos.
 
Fonte | Imagem: Portal G1
 
Sobrecarga de dicas
 
 Fonte | Imagem: Prisma CSE
          Como podemos ver, problemas nas instalações elétricas podem ser os grandes vilões para a segurança e se não tomado o devido cuidado, problemas como curto circuitos podem originar um incêndio e choques podem causar consequências graves a sua saúde.Segundo a Abracopel (Associação Brasileira de Conscientização para os Perigos da Eletricidade), no período de janeiro de 2016 a março de 2017, o País teve 782 mortes relacionadas à eletricidade (choque, raios e incêndios por curto-circuito). Isso representa uma média de duas mortes por dia nesse período. Pensando nisso, abaixo oferecemos algumas dicas para sua segurança:
 
  • Procure não sobrecarregar suas tomadas com uso abusivo de benjamins ou extensões, muitos aparelhos conectados à mesma tomada podem sobrecarrega-la e causar um curto-circuito ou até mesmo incêndio nela; 

  • Atente-se a frequência com que seu disjuntor desarma, isso com certeza é um mau sinal quando um disjuntor dispara quer dizer que a capacidade prevista que ele suporta é ultrapassada, essa é uma medida de segurança para que interrompa a corrente elétrica, ele não superaqueça e assim evite incêndios;

  • Quando for viajar, procure desligar todos aparelhos, se possível procure desligar a rede elétrica da sua casa, pois além de economizar na sua conta de energia, você estará se prevenindo de possíveis imprevistos no período em que você estiver fora e deixará sua casa mais segura no caso de oscilações de energia nesse período;

  • Procure colocar equipamentos nas tomadas adequadas, alguns equipamentos exigem uma maior potência para seu funcionamento, como por exemplo o chuveiro elétrico e o ar-condicionado;

  • Evite o do it yourself, muitos dos choques fatais também ocorrem por pessoas que fazem obras próximas à rede elétrica ou que tentam fazer ligações clandestinas em postes, por exemplo. Evite dar o famoso “jeitinho brasileiro” para suas instalações elétricas, procure um profissional competente para a elaboração ou modificação do projeto elétrico da sua residência. Faça o certo, não o fácil; 

  • Atenção ao projeto elétrico, um projeto elétrico garante a segurança e proteção contra curtos. Salienta-se a importância dos disjuntores, há alguns anos atrás era mais comum a utilização de fusíveis para proteção, mas tinham a desvantagem de ficar trocando constantemente, pois um fusível depois que acionado, ele queima e torna-se necessário trocá-lo por outro novo, apesar do seu baixo custo, a utilização de disjuntores é mais eficaz e torna-se ainda mais econômica a longo prazo, já que depois que desarmado é só ligá-lo novamente. Quem já tomou banho com a utilização de um chuveiro elétrico, já deve ter percebido que na hora de ligar ou desligar o equipamento, deve ter tomado um pequeno choque. É aí que entra a importância de um aterramento, ele evita que uma fuga de corrente se espalhe pelo dispositivo e consequentemente eletrocute o usuário.

 
Mais ação, menos vítimas!
 
        Em suma, após a leitura deste artigo, podemos notar que existem várias medidas para viabilizar sua segurança contra choques elétricos, curtos circuitos e no caso mais grave, incêndios. Várias medidas que foram e estão sendo tomadas para minimizar os acidentes provenientes de incêndios, estas provavelmente diminuirão o número de tragédias decorrentes do nosso descuido. Mas o ponto chave em questão é que essas medidas foram tomadas após uma série de tragédias, assim como foi com a lei 13.425 que só foi instaurada alguns anos após a tragédia na boate Kiss, assim foi com uma fiscalização mais rígida após o incêndio no museu Nacional e assim também como um olhar mais rigoroso do ministério público a respeito do licenciamento, após a mais recente tragédia envolvendo jovens da base do flamengo no ninho do urubu.

        A pergunta que fica é: você vai esperar até quando? Não espere uma tragédia acontecer para começar a pensar na sua segurança e da sua família. Então não perca mais tempo! Entre em contato conosco e solicite já um orçamento gratuito do pacote de projetos (arquitetônico, estrutural, elétrico e hidrossanitário) do seu imóvel e fique tranquilo sabendo que estes foram desenvolvidos no mais conceituado software do mercado atual, o revit, e que estão todos compatibilizados evitando quaisquer problemas. Baixe também nosso e-book e saiba tudo a respeito de regularização para as cidades de Recife, Olinda, Jaboatão do Guararapes e Camaragibe.

 
 
       

 

 

 

 

Share on Facebook
Please reload

Artigos em Destaque

Please reload

O que achou desse artigo? Deixe seu comentário!

  • Facebook
  • Instagram
  • Google Maps

(81) 9 9660-7974

© 2019 por Prisma CSE